A cirurgia robótica no tratamento da obesidade oferece uma série de vantagens ao paciente bariátrico. Por ser uma técnica minimamente invasiva, a recuperação é mais rápida e os riscos de infecções e sangramentos são menores. Além disso, os movimentos cirúrgicos tem maior precisão.

Abaixo, você vai entender as principais características dessa nova tecnologia.

Como é cirurgia robótica no tratamento da obesidade?

Diferente das cirurgias tradicionais, que precisam de grandes incisões (cortes) para serem realizadas, a cirurgia robótica é feita por acessos laparoscópicos. Estas pequenas punções provocam menos danos ao organismo. Assim, deixam cicatrizes muito menores, quase imperceptíveis ao paciente bariátrico.

Vale ressaltar que, na cirurgia robótica, os médicos continuam no controle de todo o procedimento. No entanto, em vez de segurar as pinças com as próprias mãos, os especialistas controlam um robô. Isso é feito a partir de um monitor de alta definição e de um painel de controle localizado dentro da própria sala de cirurgia.

Além disso, para maior segurança do paciente bariátrico, uma equipe completa também está presente na sala, para a realização do procedimento. 

Vantagens para o paciente bariátrico

O equipamento robótico possui todos os instrumentos necessários para a realização do tratamento. Entre as principais vantagens para o paciente, podemos citar:

  • Movimentos mais finos e delicados, com ausência dos tremores fisiológicos das mãos humanas.
  • Maior amplitude de movimentos, com articulações que possibilitam movimentos impossíveis para as mãos humanas.
  • Ampliação da imagem do campo cirúrgico, permitindo ao especialista visualizar detalhes anatômicos e ser ainda mais preciso.

Indicações para o paciente bariátrico

A indicação da cirurgia robótica no tratamento da obesidade deve ser individualizada e feita por um médico cirurgião do aparelho digestivo. De forma geral, a técnica costuma oferecer benefícios ainda mais significativos para os pacientes: 

  • Superobesos: pacientes com Índice de massa corporal (IMC) acima de 50.
  • Revisionais: pacientes que já realizaram uma cirurgia bariátrica e / ou estão em recidiva de peso.

Clique aqui e veja quem pode fazer a cirurgia bariátrica.

Pós-operatório da cirurgia robótica para obesidade

De forma geral, o paciente bariátrico que realiza uma cirurgia robótica tem uma recuperação mais confortável. Em alguns casos, a internação dura apenas 24 horas. Nesse período, é feita toda a orientação sobre alimentação e cuidados necessários. Na volta pra casa, a equipe fica a disposição para qualquer dúvida ou intercorrência.

Para um bom resultado no tratamento da obesidade, é necessária uma equipe multidisciplinar. O paciente deve adotar uma dieta adequada com nutricionista. Também é necessário fazer a reposição vitamínica conforme orientado pela equipe. 

O acompanhamento psicológico também é importante. Ele garante um equilíbrio entre mente e corpo, tanto no processo de aceitação das mudanças físicas quanto na mudança da mentalidade e consciência alimentar.

Além de uma nutricionista e um médico psiquiatra, profissionais de educação física são importantes para otimizar o resultados da cirurgia. Assim, os pacientes desenvolvem hábitos mais saudáveis e praticam exercícios de forma correta e segura

Cuide da sua saúde e viva melhor! Faça o seu tratamento da obesidade com profissionais experientes. A UROCAD pode ajudar. Conte conosco.

Sobre o autor

Dr. Diogo Tamiozo (CRM/SC: 15.999 – RQE: 11.567) possui formação pela Universidade do extremo sul catarinense – UNESC. Possui também formação em Cirurgia do aparelho digestivo pelo Hospital Universitário – HU/UFSC. 

Dr. Diogo Tamiozo acredita que seu trabalho vai muito além do centro cirúrgico. Por isso, oferece um amplo envolvimento com o paciente, tratando-o de forma bastante pessoal e humana. 

Além da cirurgia bariátrica, o Dr. Diogo Tamiozo atua também como cirurgião digestivo oncológico. Atende pacientes tanto em cirurgias particulares como desenvolvendo seu trabalho no Hospital Universitário da UFSC, onde atende à toda a comunidade e auxilia na formação de novos médicos.