A testosterona é o principal hormônio sexual masculino. Ela é produzida no corpo preferencialmente nos testículos e é responsável por diversas funções no organismo, como:

  • Desejo sexual (libido).
  • Produção de esperma.
  • Desenvolvimento do pênis e dos testículos.
  • Aparecimento dos pêlos faciais e genitais.
  • Aprofundamento da voz na puberdade.
  • Crescimento e força muscular.
  • Crescimento e força óssea.
  • Produção de glóbulos vermelhos.

Nos homens adultos, quantidades baixas de testosterona podem levar à redução do desejo sexual, disfunção erétil, mudanças de humor e cognição.

Além disso, pesquisas apontam que a redução desse hormônio no organismo pode estar relacionada com maiores riscos de doenças cardiovasculares.

Por isso, conversar com o seu médico urologista sobre como andam seus níveis de testosterona é uma questão de saúde. Este hormônio é fundamental para a qualidade de vida dos homens.

Sintomas de testosterona baixa 

Os níveis de testosterona variam ao longo dos dias e dos anos. Na adolescência e no início da fase adulta, acontece o pico de produção desse hormônio nos homens. No entanto, estudos mostram que, a partir dos 40 anos de idade, a quantidade desse hormônio cai de 1% a 2% por ano em pessoas do sexo masculino.

Entre os sintomas da falta de testosterona, podemos citar:

  • Fadiga.
  • Mudanças de humor.
  • Aumento da gordura abdominal.
  • Perda de massa magra (músculos).
  • Enfraquecimento dos ossos.
  • Redução do tamanho dos testículos.
  • Perda do desejo sexual (libido).
  • Disfunção erétil.
  • Baixa contagem de espermatozóides.

No geral, estes sintomas são graduais. Por não serem específicos, eles também podem ser confundidos com outros problemas de saúde. 

O médico urologista poderá diferenciar estes sintomas, indicar tratamentos ou encaminhar o paciente para outros especialistas, caso necessário.

Fatores de risco

Alguns fatores podem acelerar a queda do hormônio testosterona no organismo dos homens, como:

  • Sedentarismo.
  • Obesidade.
  • Diabetes.
  • Hipertensão.
  • Níveis altos de colesterol e triglicerídeos.
  • Consumo abusivo de álcool.
  • Tabagismo.
  • Estresse.
  • Falta de sono. 

Reposição de testosterona

Vimos no texto “Disfunção erétil: causas e tratamentos” que este problema costuma ser multifatorial. Sendo assim, é possível que o homem sofra com disfunção erétil mesmo com níveis normais de testosterona.

Caso o seu problema de disfunção erétil esteja relacionado com baixos níveis de testosterona, o médico especialista poderá indicar a reposição do hormônio.

As formas mais comuns de reposição de testosterona são:

  • Gel transdérmico.
  • Implantes subcutâneos.
  • Injetável de média duração.
  • Injetável de longa duração.

A reposição de testosterona costuma ser indicada quando os níveis do hormônio no sangue dos homens estão abaixo de 300 ng/dL. A presença dos sintomas da baixa de testosterona também é avaliada. No entanto, o diagnóstico deve ser realizado sempre por um médico especialista. Cada caso será diagnosticado individualmente.

No geral, o uso da testosterona com orientação médica proporciona benefícios como:

  • Aumento do desejo sexual (libido).
  • Melhora da qualidade das ereções.
  • Aumento das ereções matinais.
  • Facilidade de alcançar o orgasmo.

Não se esqueça: uma boa saúde depende de inúmeros outros fatores. Ter uma alimentação saudável, fazer exercícios regularmente, dormir bem e reduzir o estresse ajudam a manter os níveis do hormônio mais altos. Além disso, bons hábitos previnem uma série de outros problemas comuns aos homens.

Consulte o seu médico urologista, controle seus níveis de testosterona e tenha uma vida mais longa e feliz. Os profissionais do UROCAD são especialistas em saúde do homem. Entre em contato conosco.