Vimos no texto Tratamento e diagnóstico do Câncer de Próstata que essa doença não costuma apresentar sintomas nas fases iniciais. Essa característica pode enganar muitos pacientes e dificultar o tratamento do câncer de próstata. 

“Os sangramentos, as dores e as dificuldades para urinar (sinais inespecíficos, comuns também a outras doenças), tendem a aparecer nas fases mais avançadas” – Dr. Roberto Kinchescki, Médico Urologista (CRM/SC 15.903 – RQE 13.753).  

A idade é um dos fatores mais importantes para o surgimento do câncer de próstata. Por isso, todos os homens devem fazer exames periódicos com o médico urologista a partir dos 40 anos. Este check up é muito importante para o diagnóstico precoce de outras doenças, como o câncer nos rins e a hiperplasia prostática benigna e etc.

Com relação câncer de próstata, os cuidados a partir dos 40 anos também são fundamentais, especialmente em pacientes:

  • Homens com parentes de primeiro grau com câncer de próstata: por conta dos fatores genéticos associados à doença;
  • Homens com ascendência negra: quando surge, o câncer de próstata tende a ser mais agressivo nesses casos.

Diagnóstico 

O diagnóstico precoce do câncer de próstata pode ser realizado de duas formas. Além do exame físico de toque retal, é possível fazer um exame de sangue para detecção do  Antígeno Prostático Específico (PSA).

“No exame de sangue PSA, é possível detectar alterações que indicam alterações na próstata. Já no exame físico de toque retal o médico pode identificar pequenas mudanças na textura da glândula, como nódulos ou áreas de endurecimento, que podem ser sinal de tumor” – Dr. Sander Tessaro, Médico Urologista (CRM/SC 16.006 – RQE 13.373).

Estadiamento do Câncer de Próstata

Uma vez identificado tumor, os médicos precisam definir qual a gravidade e estágio da doença. O tratamento do câncer de próstata varia bastante de pessoa para pessoa e de estágio para estágio da doença.

“O médico urologista pode encaminhar o paciente para a realização de procedimentos mais específicos. Entre eles, a ressonância multiparamétrica da próstata, que ajuda a determinar quais pacientes poderiam se beneficiar de uma biópsia, por exemplo” – Dr. Pedro Geraldo Junior, Médico Urologista (CRM/SC 23.189 – RQE 14.074).

“Alguns tumores são tão pequenos que não precisam ser tratados, mas apenas acompanhados periodicamente. Outro, porém, são muito agressivos, e exigem uma combinação de técnicas durante o tratamento” – Dr. Roberto Kinchescki, Médico Urologista (CRM/SC 15.903 – RQE 13.753).

Tratamento do Câncer de Próstata

No geral, o tratamento do câncer de próstata em estágio localizado (que só atingiu a próstata e não se espalhou para outros órgão), envolve:

  • Cirurgia (tradicional, laparoscópica e robótica);
  • Radioterapia;
  • Vigilância ativa;
  • Braquiterapia;
  • HIFU.

Já o tratamento do câncer de próstata localmente avançado pode ser feito com:

  • Cirurgias (tradicional, laparoscópica e robótica); 
  • Radioterapia; 
  • Tratamento hormonal.

Para os casos mais graves, em que o câncer de próstata apresenta metástases (quando o tumor se espalha para outras partes do corpo), os tratamentos mais empregados são a terapia hormonal e a quimioterapia.

“A escolha do tratamento deve ser feita individualmente, de acordo com as características de cada paciente e de sua doença. Médico e paciente devem discutir os benefícios e os riscos de cada alternativa” – Dr. Sander Tessaro, Médico Urologista (CRM/SC 16.006 – RQE 13.373).

A importância da qualificação profissional

A próstata está localizada em uma região bastante delicada, próxima aos nervos da ereção e aos órgãos urinários. A glândula não é indispensável para a vida, mas a lesão das estruturas ao seu redor pode acarretar em graves prejuízos para a qualidade de vida do paciente. Entre eles, perdas na função sexual e incontinência urinária. 

Por isso, é fundamental que o seu tratamento para o câncer de próstata seja realizado por uma equipe qualificada e experiente.

Cuide da sua saúde! Faça os exames periódicos para detecção precoce do câncer de próstata. O Instituto Catarinense de Urologia e Cirurgia Digestiva (Urocad) pode lhe ajudar a manter uma vida mais feliz e saudável. Conte conosco! 

Sobre os autores: 

Dr. Pedro Geraldo Junior é graduado em medicina pela Universidade Federal de Minas Gerais. Especializou-se e concluiu residência em Cirurgia Geral no Hospital Universitário São José e em Urologia no Instituto Mario Penna. É membro efetivo da Sociedade Brasileira de Urologia, da American Urology Association, da Internacional Society for Sexual Medicine e da European Association of Urology.

Dr. Roberto Kinchescki é graduado em Medicina pela Universidade Federal de Santa Catarina. Especializou-se e concluiu residência em Urologia no Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná. Com passagens e atendimento na esfera pública e privada, sua marca é o aprimoramento de técnicas e procedimentos para uma melhor qualidade de vida, sempre em contato com o bem-estar e o contexto humano de cada paciente.

Dr. Sander Tessaro é graduado pela Universidade do Extremo Sul Catarinense. Especializou-se e concluiu residência em Urologia em São Paulo/SP pelo Hospital Santa Marcelina. Dedicou parte dos seus estudos na Cleveland Clinic (Estados Unidos) onde realizou fellowship em Cirurgia Minimamente Invasiva e Endourologia. É membro titular da Sociedade Brasileira de Urologia e Membro Internacional da American Urology Association e da European Association of Urology. Sua atuação é pautada pela busca de soluções efetivas aos seus pacientes, atendendo-os de forma humanizada e individual.